29 de mar de 2010

As Brumas de Avalon

Estou lendo As Brumas de Avalon. Gente, que livro fantástico! Recomendo esta leitura a todos que gostam de ficção e de realidade, pois neste livro elas andam lado a lado. O que me deixa mais encantada nesta leitura é o evidente choque de culturas que há entre a crença na Deusa e a crença em Deus.

No livro, aqueles que acreditam na Deusa, afirmam que todos os Deuses são um só e que cada um tem direito de acreditar naquilo que quer. Porém os cristãos, afirmam que acreditar em um Deus que não seja o deles é pecado. Além disso, os cenários se contrapõem de tal forma que não há como não perceber a falta de sintonia que há entre as duas crenças. Enquanto os cristãos celebram suas comemorações com o bater dos sinos, com imagens sacras em altares reluzentes e com mulheres castas e submissas, as sacerdotisas e os crentes da antiga fé reúnem-se ao redor de fogueiras para celebrar Casamentos Sagrados, pintam seus corpos, cuidam da natureza e as mulheres possuem lugar sagrado em meio aos rituais e trabalhos diários.

Se eu tivesse que escolher um lado, obviamente estaria ao lado da Deusa. Desde criança o falatório interminável dos padres, as Igrejas tão lindas com as imagens inalcançáveis me cansavam. No entanto, nesta leitura é possível verificar extremismos de ambos os lados – não só as mulheres cristãs guardavam suas virgindades para entregá-las aos maridos escolhidos pelos pais, também as sacerdotisas só podiam entregar seus corpos aos escolhidos pela Deusa. Para mim, isto é absurdo demais – desde quando alguém que se diz o representante de Deus (seja ele qual for) deve dizer com que pessoas alguém deve ou não estar, deve ou não se casar? E desde quando Deus tem apenas um ser que fale para ele? Afinal, Deus está em tudo, está em todos.

Eu, definitivamente, me irrito quando começam longos diálogos sobre tudo ser pecado, sobre Cristo ser um Deus que castiga e sobre mulheres se mostrarem ousadas por expressarem suas opiniões uma ou duas vezes. Pois se assim ainda fosse teríamos que andar com chicotes nas mãos para nos açoitarmos a cada pensamento julgado por sei lá quem que não me conhece como corrupto (e pensar que há pessoas que fazem isso).

E, contudo todas as crenças se assemelham tanto. Há que se fazer jejuns longos e rezar muitos dias para se alcançar plenamente ao Deus. Isso me soa estranho, já que o meu Deus está ali fora nas árvores que avisto, nos pássaros que passam, na noite que chega mansinha e aqui dentro de minha casa junto dos meus familiares, nas paredes que construímos juntos – não tenho que passar por longos períodos de fome e cansaço para falar com meu Deus e qualquer um que tiver que passar por isso para estar junto do seu, me parecerá distante e desconectado de si. Aceito que existam outros Deuses e outras maneiras de se estar perto dele, entretanto, passar por provações físicas não me é aceitável, pois se assim fosse não haveria sentido em ser humano - ser humano para sentir dor física, me parece castigo e o meu Deus não castiga.

Em mim, essas questões foram as mais pulsantes até o momento. Estou na metade do livro dois e o devoro com voracidade. Algumas passagens do livro também me marcaram bastante até o momento, registrarei algumas aqui para compartilhar e atiçar a curiosidade de todos. Espero que busquem por esse livro e possamos refletir ainda mais sobre ele posteriormente.



“Consideram heresia pensar que os homens tem mais de uma vida, o que qualquer campônes sabe ser verdade (...). Mas sem acreditar em mais de uma vida, como evitar o desespero? Que Deus justo criaria homens desgraçados ao lado de outros felizes e prósperos, se todos tivessem apenas uma vida?”

“Pois vejo um destino para ele, em seu mundo – tentará fazer o bem, como a maioria do seu povo, mas só fará mal.”

“As lágrimas vertidas pelas mulheres não deixam marcas no mundo.”

“Vocês cristãos gostam muito da palavra impróprio.”

”Eles dizem: acreditem no que não viu, professe o que não sabe, há mais virtude nisso do que em acreditar no que viu.”

“É no momento da morte que o disfarce mortal de uma vida apenas desaparece.”

28 de mar de 2010


A morte, como nós a conhecemos, não existe.

(essa imagem é de um artista cujo trabalho admiro: Jim Warren)

24 de mar de 2010

Já pensou se Dom Pedro I tivesse que abrir uma conta?

Esta semana tive que abrir uma conta em um novo banco para receber o salário do novo estágio. Anteriormente nunca havia aberto uma conta em meu nome sozinha, então não sabia como era o processo. Fui muito bem atendida, mas para minha surpresa fiquei uma hora e trinta minutos verificando cópias, preenchendo cadastros, assinando papéis (dos quais nenhum ficou para mim para minha garantia). Assinaturas vem, assinaturas vão, lembrei da minha última aula de Direito Notarial em que o professor citou que Dom Pedro I tinha mais de dez nomes na constituição de seu nome completo e, imediatamente, pensei “imagina se Dom Pedro I tivesse que abrir uma conta aqui, ele ia ficar mais de duas horas só assinando os papéis!”

Em nível de curiosidade (tua e minha), o cara se chamava Pedro de Alcântara Francisco António João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim de Bragança e Bourbon. Precisaria do espaço de três linhas inteiras para assinar esse nome, ainda mais naquele formato de antigamente, com capitais e demais letras bem desenhadas. Ou então, abreviando quase tudo: Pedro de A. F. A. J. C. X. de P. M. R. J. J. G. P. C. S. de B. e Bourbon. PedrodeAFAJCXdePMRJJGPCSdeBeBourbon. Que bom que o Pedro não tinha que abrir conta nenhuma, né?!

Acabei pensando nisso tudo por que me deparei com uma baita burocracia em um procedimento que deveria ser medianamente simples. O banco se enche de precauções, quando na verdade são eles os terríveis. Era só fazer o cadastro, a conta e pronto .E depois de tudo isso, ainda houve o obstáculo das senhas. Imagina se Dom Pedro I ia querer guardar ou anotar num bloquinho todas as senhas de que ele precisaria: uma para o cartão, outra para o de compras, outra para poupança, além das senhas de letras, mais as senhas não bancárias – Orkut, MSN, email, login do computador, do blog, do flog, para entrar no sistema do trabalho, para procurar processo no sistema, para entrar no site da universidade, para entrar no outro email etc etc etc – muito cansaço para um imperador só, acho que por isso, essas tecnologias vieram só depois. Imagina Dom Pedro com um bando de secretários, cada um responsável por uma destas áreas e suas respectivas senhas?! Como temos que lembrar pequenas coisas tão decisórias em nossas atribuladas e desenvolvidas vidas, cada dia uma senha nova e para cada uma esquecida; uma nova barreira que se cria...

Bom mesmo era ser imperador.

20 de mar de 2010

A bailarina


Sou uma mistura heterogênea de Laura e Ana somadas à Caroline. Minha parte Ana é aparentemente e, muitas vezes, realmente muito frágil. Ana é só, amorosa, emotiva, triste, medrosa e sorridente quando me vê. Ana só sai de casa acompanhada, depende dos outros para fazer suas coisas, acomoda-se nas limitações que se impõe, teme a tudo e a todos. Ana sentiu-se mais sozinha após a morte de um ente querido e confortou-se na sua dor, não foi e não é triste, mas também não foi e não é feliz. Laura é forte, destemida, trabalhadora, guerreira. Ao mesmo tempo em que é boa é, muitas vezes, ingênua. Laura gosta de ajudar a todos e esquece-se de ajudar a si mesma. Laura gosta de estar bonita, compra-se roupas diferentes, gosta de estar cheirosa, gosta de usar acessórios. Laura é linda, adorável e querida. Laura e Ana tem muitas características em comum e muitas características em desacordo. Ambas são mães, no mais profundo significado desta palavra – mas cada uma a sua maneira. Ambas sentem-se muito sós, incompreendidas e, às vezes, não amadas. Já Caroline é uma menina doce, muito bem criada e educada para ser aquilo que um dia foi sua mãe: uma princesa. Caroline tem lindas roupas, acessórios modernos, pode viajar pelo mundo, mas conseguiria ela sair de seu castelo?

Eu poderia me chamar Ana Laura, Laurana, Laureana, mas me quiseram Lauana. Lauana Caroline. Meus dois nomes foram escolhidos por aquele que amo, mas detesto; por quem me assemelho e antipatizo. Desde meu nascimento, minha vida é uma via de mão dupla (ou seria tripla?) – automóveis passam nos dois sentidos, há prováveis semáforos dos dois lados e faixas de pedestres, os sinais vermelho, amarelo e verde funcionam perfeitamente e cada vez melhor com o passar dos anos. Nesta via, plantei árvores dos dois lados, pintei um lindo céu azul com nuvens de chuva e um sol brilhante, construí canteiros para as flores multicoloridas e coloquei pessoas para transitarem por ali. Desde meu nascimento venho aumentando esta via, conforme afirmo minhas escolhas.

Nesta via, a Laura está andando num caminho oposto ao que caminha a Ana. Caroline está sentadinha no meio da rua, usa uma saia de bailarina cor-de-rosa e observa as outras duas que se olham, se sorriem e seguem seus caminhos uma para cada lado.

E então, ela se pergunta: quem seria a Lauana Caroline Lemos Rita?

16 de mar de 2010

FELIZ Aniversário!

Ontem foi meu aniversário e ao contrário de uma tradição de anos, eu não estava radiante e sorridente. No sábado e no domingo, dias em que fiz as comemorações com os amigos e parte da família, eu estava bem e feliz. Cantei, dancei, bebi, comi, conversei, sorri – como sempre foi. Mas no fim da noite de domingo fiquei estranhamente triste. No dia seguinte, data real de meu aniversário acordei chateada, aconteceram alguns eventos chatos e me aborreci. Como toda minha raiva e medo eu transformo em lágrimas, chorei. Chorei pela ausência de meu avô, chorei pela distância de meu pai e pela fase problemática pela qual passa metade da minha família. Não lastimei nada material, mas tudo emocional. E então, fiquei pensando como nós sempre nos obrigamos a sermos feliz nos nossos aniversários. Quando dá algo errado, rapidamente pensamos “logo no meu aniversário”, se fosse qualquer outro dia seria aceitável, mas no dia do aniversário, não. Tudo tem que ser bom. Eu me cobrei essa obrigatória felicidade durante o dia, tentei fazer coisas que me animassem, mas não importa quantas coisas eu tentasse ou felicitações carinhosas recebesse, não me animei. Pedi para que o dia acabasse logo e ele se foi com uma terrível dor de cabeça.

Nunca entendi as pessoas que não gostam de comemorar aniversário, por que para mim, é muito importante. Nossa, celebrar o dia em que eu vim ao mundo é fundamental, já que eu não sou só mais uma, eu faço alguma diferença. Porém, neste ano, tudo está acontecendo meio junto – minhas tias resolveram ter grandes problemas, minha avó piorou na saúde, meu avô faleceu – e eu resolvi sentir profundamente tudo isso (eu não simplesmente resolvi, eu sou assim). Não houve como não sentir e resolvi curtir a fossa.

Aniversário traz certas questões a tona, já que muitas pessoas que eu conheço tem medo ou receio de comemorar aniversário, por que acham que ninguém vai aparecer ou algo vai dar errado e, eu também sou assim. Acho que tudo isso está muito ligado a infância onde acontecem, frequentemente, decepções desse tipo. Os aniversariantes de janeiro e fevereiro sofrem com as férias – todos estão na praia – os de março com o início das aulas – não conhecem ninguém – e assim por diante. Cada um tem um trauma, o meu é não me sentir querida quando se esquecem de me felicitar ou de ir à festa – ninguém é obrigada a lembrar, mas ninguém é obrigada a esquecer – racionalmente, sei que as pessoas me amam felicitando ou não, mas emocionalmente eu preciso disso.

O dia 15 acabou, que bom! Hoje já me sinto bem melhor, o dia está lindo e eu quero comemorar a vida! E já espero pela chegada do próximo ano em que certamente as cobranças individuais e sociais virão acompanhadas, eu espero, de alegria.

12 de mar de 2010

Adooooooooro Lady Gaga


Não importa o que digam, adoooooooooooro
Lady Gaga!
Se ela é uma cópia da Madonna, se só faz isso para chamar a atenção, se canta igual as outras...nada disso importa. O que importa é que ela consegue inovar num mundo em que tudo está igual. Como diz a propaganda do Shopping Praia de Belas: a moda agora é reinventar. E reinveção, a Lady tem de sobra.

11 de mar de 2010

Adoro o jeito como o céu fica após a chuva...


Março está sendo tipicamente um mês pisciano. Eu saio de casa com o cabelo preso e usando óculos escuros e volto com os pés molhados e usando um guarda-chuva. Este mês está, realmente, com um peixe para cada lado.

9 de mar de 2010

Sangue de verdade ou sangue fictício?


Adoro seriados Adoro o tema vampiros. Adoro erotismo. Assim como 1 + 1 = 2, eu certamente me apaixonaria por este seriado. Assisti a primeira e a segunda temporada (cada uma com 12 episódios, cada um com 50 minutos) em quatro dias, já reassisti a primeira temporada inteira e agora estou na metade da segunda – aparentemente eu adoro me viciar em seriados televisivos. True Blood é muito bom!!!!!!

Dessa vez não vou me rasgar em elogios para este seriado (como fiz com The Tudors – ver marcador seriados), pois o foco do post é outro. Mas sim, ele é um seriado muito bacana e atualíssimo.

Vendo True Blood comecei a refletir. (sério? Eu quase nunca faço isso =P). Por exemplo, será que realmente conseguiríamos viver em um mundo habitado também por outros seres tão diferentes de nós? (quer dizer, tecnicamente isso já acontece, mas acho que só porque a maioria das pessoas não consegue ver). Quer dizer, nem sequer conseguimos aceitar os nossos “semelhantes”. E será que os nossos diferentes conseguiriam nos aceitar?

E outra, porque será que estamos sempre em busca de criar mundos super ficcionais com vampiros, lobisomens e etc, será por falta de aventura ou por vontade de correr riscos ou de viver junto com o desconhecido? Por que a ficção é tão fabulosa e atrai tantas pessoas? Mais da metade dos meus seriados são sobre ficção. Seria a realidade muito chata?

7 de mar de 2010

O livro dos descobrimentos - S01E03

Previously on Eu só quero te dizer que:
http://eusoquerotedizerque.blogspot.com/2010/03/o-livro-do-descobrimento-parte-i.html

http://eusoquerotedizerque.blogspot.com/2010/03/o-livro-dos-descobrimentos-s01e02.html

A segunda passagem com que muito me identifiquei é a de El Morya, ele fala em nome da Grande Fraternidade Branca sobre o poder pessoal e o dinheiro. Todas essas mensagens foram canalizadas por Tânia Resende.

El Morya diz que é sabido que a nossa grande dificuldade do momento está relacionada à questão do suprimento financeiro e material e que, nós frequentemente, acreditamos que somos aquilo que possuímos em termos materiais. Por isso, ele diz que o aprendizado do momento é confiar. Devemos parar de nos focar na privação e passar por mais dificuldades por conta do medo que temos de perder tudo, “devemos compreender que tudo que vem do mundo físico está aqui para ser usado e usufruído por nós e que temos que nos enviar a mensagem: eu tenho o suficiente!” (TORRES; ZANQUIM, 2009, p.50).

*
Como estou apenas no início do livro e já me interessei tanto por ele, possivelmente virei a postar mais mensagens com que me identifique durante a leitura. Estou ansiosa por dar continuidade a ela. Se você gostou das passagens e interessou-se pelo livro, procure abaixo os dados que deixei sobre ele.


Nome da obra: 2012 – A Era de Ouro
Autores: C. Torres e S. Zanquim – com canalizações de Tânia Resende
Local, editora e data: São Paulo, Madras, 2009.

Mais comentários e links interessantes, neste site:
http://aleidaatracao.blogspot.com/2009/02/2012-era-de-ouro-o-livro.html

Duas possibilidades de aquisição do livro, nestes sites:
http://www.leidaatracao.com.br/commerce/?idCat=25&idProd=115
http://www.americanas.com.br/AcomProd/1472/2693519


Boa leitura!!!

5 de mar de 2010

O livro dos descobrimentos - S01E02

Previously on Eu só quero te dizer que:
http://eusoquerotedizerque.blogspot.com/2010/03/o-livro-do-descobrimento-parte-i.html

Ficar minimamente curiosa acerca de algum assunto já é o suficiente para que eu vá pesquisá-lo mais a fundo mesmo que anos depois, afinal a chama fica acesa. Para que eu começasse a ler o livro não tardou já que a mãe já o estava terminando.

Quando pego um livro que me interesso eu o devoro em poucos dias. Porém, este livro não é do tipo que se devora rápida e facilmente. Este é um livro cuja principal característica, no meu ponto de vista, é ser reflexivo. Temos que ler, parar, pensar, agir e recomeçar a leitura. Algumas mensagens de seres astrais vão nos guiando durante a leitura, essas mensagens falam sobre amor, dinheiro, medo, generosidade, futuro e outros. Já li algumas passagens, mas ainda não consegui me aprofundar em nada, mesmo naquilo sobre o que estou refletindo. (Quem já leu o livro, sinta-se a vontade para dar suas opiniões ali na parte de comentários).

Identifiquei-me muito com duas passagens até agora, uma em que os autores comentam uma mensagem de Joahdi que fala sobre o poder pessoal e a outra em que El Morya fala sobre o poder pessoal e o dinheiro. Neste post vou colocar as primeiras passagens e no próximo as outras - para não ficar muito extenso e cansativo.

Os autores dizem que o dinheiro exercerá um papel essencial para o ser humano, só que nossa relação com ele mudará, pois não passaremos os dias, contando, negando, escondendo, perseguindo e manipulando o dinheiro de que necessitamos. O dinheiro não poderá mais trazer o desconforto, a violência e o desespero que ele traz. Ele deve trazer a liberdade e a paz e não o aprisionamento. Ele deve trabalhar para nós e não nós para ele. (TORRES; ZANQUIM, 2009, p.46).

Além disso, eles dizem que quando pronunciamos ou ouvimos a palavra dinheiro, imediatamente nossa mente o relaciona ao medo. E citam um exemplo bem cotidiano de todos nós:

Se perguntar às pessoas o que fariam se ganhassem na loteria, por exemplo, cem milhões de reais, muitas delas certamente terão respostas voltadas ao medo. Já ouvimos respostas do gênero:
A primeira coisa que eu faria seria não falar a ninguém, para evitar que viessem me pedir emprestado. – Medo das pessoas.
Eu ficaria bem quieto porque poderia ser sequestrado. – Medo da violência.
Eu guardaria tudo ou investiria para não ficar sem dinheiro no futuro. – Medo do futuro e Foco restrito na falta.Não consigo nem imaginar uma situação dessas. – Medo do desconhecido. (TORRES; ZANQUIM, 2009, p.47).


E, por fim, eles dizem que temos que reaprender nossa relação com o dinheiro, pois ele é a energia mais atuante e vibrante atualmente no mundo. Ele é energia e deve ser movimentado, distribuído, repassado e multiplicado por sentimentos de gratidão, felicidade, alegria e bem-estar. (TORRES; ZANQUIM, 2009, p.47).


(To be continues...)

2 de mar de 2010

O livro dos descobrimentos - S01E01


Comecei a ler este livro há algumas semanas, recomendado por minha mãe e ele é incrível. Antes de falar propriamente sobre ele, faço algumas considerações mais gerais:

Primeiro e de total importância para mim, este livro tem uma capa que não faz jus ao seu conteúdo. Se eu o visse em qualquer prateleira de qualquer lugar jamais o pegaria para dar uma olhada, pois ele parece um daqueles pavorosos livros de religiões extremistas que procuram catequizar seus membros através da lavagem cerebral. Logo, sim, o visual é importante e, às vezes, decisório.

Segundo, o título “2012” que, atualmente, remete a catástrofes e tragédias de todo tipo. Eu não consigo entender como as pessoas conseguem ser tão frágeis ao ponto de desesperar-se com um fim do mundo totalmente hipotético. Parece que todos tem prazer em sentir medo. Já vivemos aprisionados por causa de nossas tragédias pessoais e da violência do mundo, para que temer mais um momento que não é certo? Impressionante que os mais temerosos ainda gastem dinheiro para ver essas bobagens na TV e no cinema. Estão com medo do fim do mundo, então o que vão fazer para melhorar-se e melhorá-lo nestes últimos momentos? Por causa da ligação deste título a um assunto muito comentado na atual conjuntura global, eu não poderia deixar de ligá-lo a tudo isso e, consequentemente, não me interessaria por ele. Fim do mundo, ano de 2012 catastrófico, Nostradamus, francamente, eu tenho coisas muito mais úteis com que me preocupar e no mais, se o mundo acabar mesmo, vamos acabar juntos.

Terceiro, minha mãe adora esse tipo de livro (não os sobre fim do mundo, mas sobre a melhora dele e de todos nós como veremos adiante). Ela tem prateleiras cheias de livros sobre amor, história da humanidade verdadeiras e falsas, astrologia, espiritualismo, expansão da consciência, níveis de matrizes, etc etc etc. Sempre a deixei de lado com seus livrinhos, lendo pela metade um ou outro até que ela não parou de falar das incríveis passagens de “2012 – A Era de Ouro” até toda família se interessar por ele.

Quarto, combinando uma capa feia e um assunto aparentemente desprezível com uma pequena curiosidade, para mim, já está feito o estrago. E foi ai que o início das novas grandes descobertas começou – numa curiosidadesinha.


(Continua...)