29 de dez de 2010

Retrospectiva


Esse ano foi complexo, é a primeira coisa que penso ao tentar fazer uma reflexão de tudo que aconteceu. Todos os dias são tão cheios que é difícil tentar puxar pela memória os primórdios de 2010. Mas adoro me propor a esse tipo de reflexão, para clarear o fechamento de um ciclo, mesmo que 2011 entre como a continuação do que ficou em aberto em 2010 e nos anos posteriores.

Entrei o ano com umas das pessoas que mais amo a beira do desencarne, cada dia era como uma nova morte, mas eu dei as mãos para ela, olhei bem fundo dos olhos dela e disse: “então, vamos lá”.  A morte nunca tinha passado assim tão perto de mim e foi assustador, mas depois que veio foi como um calmante para o coração, uma passagem daqui para depois do aqui. A dor durante foi maior que a de depois, já que a alma é eterna e está sempre por perto, mesmo que muitas vezes não seja visível. Não existe fim.

Meu avô faleceu deixando muitas lágrimas e saudades e foi tão perto do aniversário de minha mãe que este passou quase despercebido.

Mesmo assim, fomos comemorar com alegria os 50 de mamãe num restaurante há tempos desejado.

Em Fevereiro meu primeiro contrato de estágio terminou e não o renovei, queria algo novo. Depois de uma saga de papeladas e burocracias recomecei a trabalhar em Março em um arquivo histórico que a princípio se mostrou bem interessante já que eu lidava com documentação referente ao Sanatório São Pedro, mas depois, a mecanicidade acabou com a motivação. Será que existe algum trabalho que não seja assim, óbvio, cotidiano, mecânico? Passei então, no mesmo lugar, a trabalhar com uma documentação referente à escravidão, tema que não me agrada, portanto logo busquei um novo estágio.

Junto com as mudanças de estágio as aulas no terceiro semestre da faculdade se arrastavam, uma cadeira insuficiente de fotografia, duas chatas de direito, uma terrível na qual deveríamos aprender a produzir docs. eletrônicos, avaliação de documentos e informação e memória social – as duas melhores. Foi um semestre chatinho, não havia quem não comentasse. No mais, namorei, sai, vi os amigos e estudei pra caramba, como de costume.

Em Maio, ao mesmo tempo em que comecei a busca de um novo estágio, minha vida começou a mudar. Eu e meu namorado passamos uma semana inteira juntos e decidimos passar mais anos inteiros juntos.

Assim de Maio para Julho os meses passaram num pulo, comecei a trabalhar num local bem bacana com mais duas horas por dia que fizeram a diferença para bem e para mal no fim do segundo semestre. Matriculei-me em seis cadeiras, o que não teria sido tão pesado se eu não tivesse que ler e estudar tanto para cada uma. Comecei a comprar coisas para casa, eu e meu namorado decidimos alugar, depois decidimos comprar, depois redecidicimos alugar e enfim optamos por comprar um apartamento.

As aulas e a minha vida foram mais ou menos tranquilas até Outubro, depois o cerco de estudos se fechou. Quando não estava enlouquecendo com algum trabalho ou prova estava empacotando coisas em caixas, arrumando roupas em malas, enfim, em um período de transição.

O blog que criei em Janeiro pelo renascer da vontade de escrever abandonei por completo nos últimos meses do ano. Vida social e namoro, então, eram relações praticamente inexistentes.

Viajei bastante também este ano, com uma frequência bem anormal. Entrei o ano saindo de Imbé, revi Floripa, conheci Barra do Ribeiro com as amigas, fui a Rosário do Sul e Rivera, me aventurei por Punta Del Este, Montevideo e Buenos Aires, conheci o Rio de Janeiro com a família, fui a Santos para um congresso e de quebra conheci São Paulo, estive em Salvador. Existem lugares para os quais voltarei. Conheci várias novas pessoas, tive várias novas experiências e tantas histórias para contar.

Num giro de 360 graus conseguimos um apartamento sem comprar nem alugar, catamos padrinhos e madrinhas para um casamento futuro, empacotamos nossas antigas vidas para abrir as caixas e tirar dali as novas vidas como num passe de mágica bem elaborado.  Em Dezembro, pouco antes do Natal reabrimos as caixas dentro do apartamento já pintado e limpo com gosto.

Neste momento o segundo semestre na faculdade já havia terminado. Este foi o semestre mais puxado, mas mais recompensador de todos. Foi o semestre em que comecei a questionar o curso e as minhas decisões em geral. “Será que é isso?” É normal perguntar-se as coisas, estranho é nunca fazê-lo.

A família passou um ano de idas e vindas, o Natal foi dividido, as festas foram distantes. Os mais velhos começaram o processo de dar espaço para os que virão e todos se assustaram com isso. Novos relacionamentos vieram, outros passaram.

Meu irmão ganhou um quarto novo, minha mãe uma sala maior e eu um apartamento todo e uma porção de reações diferenciadas quanto a minha decisão.

Neste ano, também começaram os sintomas para o despertar da humanidade que será em 2012, mesmo que eu só os tenha sentido no fim do ano. Este despertar vem dando trabalho: rever conceitos, ceder, mudar, enfrentar situações sempre é difícil.

Neste ano também comecei a buscar mais pela teoria da minha espiritualidade. Iniciei pelas sensações, passei para os livros – do Espiritismo à Umbanda. Tudo muito devagar, com muita curiosidade.

Continuei com boas amizades, renovei algumas antigas, fiz ótimas novas.

Acredito que finde bem o ano, curiosa pelo que virá. 
Que seja feliz o 2011, que o mundo continue a girar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário